ENXERTOS.png

Enxertos de Pele

Enxertos de pele são muito utilizados em cirurgia plástica para a reconstrução de defeitos superficiais, principalmente em úlceras venosas, pacientes queimados, ou outros tipos de lesões que permitam uma cobertura fina, sem exposição de estruturas nobres. São pedaços de pele retirados sem a preservação de sua vascularização.

O enxerto pode ser de pele total, toda a espessura da pele é retirada, por exemplo da região da virilha, na frente ou atrás da orelha, região da clavícula, entre outras áreas, que permitam que a região feche totalmente. Ele também pode ser de pele parcial, principalmente quando se necessita de um enxerto mais fino ou de quantidades maiores de pele, como em pacientes queimados.

O enxerto é revascularizado pelo leito, inicialmente por vasos muito frágeis e sujeitos a lesão por cisalhamento, por isso é importante que ele permaneça imóvel pelo menos por 5 dias antes da sua primeira abertura. Depois da primeira abertura, esse enxerto ainda é muito frágil e necessita de cuidados especiais nas primeiras duas semanas, até que se possa realizar curativos convencionais ou deixar o local aberto.

A área enxertada precisa de cuidados especiais por pelo menos um ano depois da enxertia, pois esse é o período que o enxerto leva para se tornar “maduro”. Neste período é importante hidratar bastante a região e usar malhas compressivas para evitar a formação de quelóides e cicatrizes hipertróficas.

A área doadora de enxertos de pele parcial também necessita de cuidados especiais. Ela fica ocluída por 48 a 72h depois da retirada da pele, dependendo do curativo utilizado. Este curativo deve ser trocado conforme orientação da equipe e depois ela precisa ser hidratada e comprimida por uma malha para evitar a formação de cicatrizes e o acúmulo de sangue no local.

 

A microcirurgia é o tipo de reconstrução mais complexo da cirurgia plástica. Nele, são retirados tecidos do próprio paciente, com seus vasos e nervos, para que eles sejam transplantados para locais distantes no corpo. Por exemplo: um pedaço de pele, gordura e músculo pode ser retirado do abdome (como uma abdominoplastia), preservando seus vasos, e ser colocado na mama para devolver volume à mama. Os benefícios deste tipo de reconstrução são inúmeros: menor risco de complicações a longo prazo, melhor qualidade de reconstrução, menor risco de infecções e extrusões, menor quantidade de procedimentos cirúrgicos que o paciente deve se submeter.